Starbucks baniu a pornografia. Só faltou combinar com os sites pornôs

Como toda ação gera uma reação, dois grandes sites pornô decidiram revidar a Starbucks pela nova política

Starbucks baniu a pornografia. Só faltou combinar com os sites pornôs

Como toda ação gera uma reação, dois grandes sites pornô decidiram revidar a Starbucks pela nova política

0
shares

A rede de cafeterias Starbucks decidiu dar um basta na pornografia em seus cafés nos Estados Unidos, criando um filtro que impede o cliente de acessar o conteúdo explícito no Wi-Fi público e gratuito de suas lojas.

Como toda ação gera uma reação, dois grandes sites pornôs decidiram revidar. O YouPorn enviou uma comunicação aos seus funcionários, avisando que, a partir do próximo ano, as bebidas da Starbucks estão proibidas no ambiente de trabalho.

“À luz da notícia de que a Starbucks bloqueou seus consumidores de procurar e ver conteúdo adulto em seus estabelecimentos, os produtos da Starbucks estão oficialmente banidos dos escritórios do YouPorn, a parir de 1º de janeiro de 2019”, disse o vice-presidente da empresa, Charlie Hughes, em um memorando obtido pela revista Forbes nesta sexta-feira (30).

Já o Pornhub afirmou na última quinta-feira (29) que criou uma nova categoria de “Seguro para o Trabalho (Safe for Work), desenhada, nesse caso, para ajudar quem está visitando uma cafeteria e quer surfar no site”

“Para se adequar à nova política da Starbucks, criamos uma opção que permite a nossos fãs se divertirem com nosso grande conteúdo a que eles já estão acostumados, só que mais apropriado para espaços públicos”, afirmou a vice-presidente do PornHub, Corey Price.

Chega de pornografia

A Starbucks decidiu proibir o conteúdo explícito nas suas lojas, após uma ONG dedicada à segurança das crianças criar um abaixo-assinado, pedindo a rede de cafeterias para que fizesse a proibição nos Estados Unidos.  Mais de 26 mil pessoas assinaram essa petição.

“A Starbucks está mantendo as portas abertas para clientes e condenados de crimes sexuais e clientes a se esconderem das autoridades, usando o Wi-Fi público e gratuito para ver e distribuir pornografia obscena, pornografia infantil (um crime) e engajamento de atividades de predação sexual”, criticou a petição da “Enough Is Enough”.

Em 2014, o Wi-Fi da Starbucks ajudou a polícia a pegar um pedófilo. Em 2012, um homem foi preso porque estava vendo pornografia infantil, utilizando o Wi-Fi gratuito de uma das lojas.

A Starbucks já baniu a pornografia de seu Wi-Fi em suas lojas n Reino Unido. O McDonald’s já faz isso nos Estados Unidos desde 2016, assim como outras redes de restaurante que possuem Wi-Fi gratuito.

Baixe já o aplicativo da StartSe

App StorePlay Store

Assine nossa newsletter

switch-check
switch-x
Nova Economia
switch-check
switch-x
Empreendedores
switch-check
switch-x
Startups
switch-check
switch-x
Ecossistema
Mais em Startups