Como é o mercado brasileiro de startup para as mulheres?

Conheça a opinião de mulheres que atuam no ecossistema e participe da pesquisa sobre o mercado de trabalho em startups

Como é o mercado brasileiro de startup para as mulheres?

Conheça a opinião de mulheres que atuam no ecossistema e participe da pesquisa sobre o mercado de trabalho em startups

0
shares

Apesar de serem mais de 43% da força de trabalho, as mulheres ocupam apenas 37% dos cargos a partir de gerência no Brasil, de acordo com o IBGE.

Em startups há uma cultura de reconhecimento sem distinção de sexo, aparência, e outros códigos relevantes em empresas tradicionais. Itens como tatuagem ou cabelo colorido, por exemplo, não são problema no processo de seleção. Mas as oportunidades, em startups, são iguais para as mulheres?

Para responder a essa pergunta, lanço hoje com o Startse a pesquisa “Gênero em Startups”. Qualquer startup pode participar, basta preencher o formulário com os dados da companhia pelo link.

O que elas dizem: como é ser mulher em startup

Conversei com algumas mulheres que atuam em startups financeiras, setor tradicionalmente de predominância masculina, para saber sobre o dia a dia, perspectivas e preconceito de gênero.

Para Stéphanie Fleury, fundadora do aplicativo DinDin, preconceito de gênero não é mais o problema, e sim a falta de voz e visibilidade das mulheres que já estão no mercado.

Stéphanie trabalhou durante anos em telecomunicações, até mudar de área ao empreender. Ela percebeu logo que, para se destacar não bastava ter opinião, era preciso ter coragem, se manifestar, se apresentar, para ser ouvida e lembrada.

Stephanie Fleury do App DinDin

Antes do aplicativo DinDin, ela já havia fundado empresas nos setores de marketing e turismo, o que ajudou a detectar o problema que resolve hoje com sua startup. “Sem dúvida o preconceito já existiu, como quando eu era estagiária, em 2002, e trabalhava no mercado de telecom, que era predominantemente masculino. Hoje, apesar de sentir ainda em alguns casos que existe mais respeito quando tem um homem na sala, eles são raros. Hoje eu sinto mais respeito e admiração do outro lado da mesa, do que o contrário”.

Em um meio inovador, é mais fácil ser ouvido e reconhecido, independentemente do sexo. Essa é a impressão de Ana Baraldi, que já trabalhou em um banco tradicional e hoje é Head de Customer Experience e Gestora na Vérios. “Quando você está numa empresa grande é mais difícil ser ouvida - aqui na Vérios eu sinto que sou ouvida e acho que isso tem a ver com o ambiente de fintech”.

Mas o lado de dentro da companhia não é o único que uma mulher encara como profissional. Como head de customer experience, Ana conta que muitas vezes faz o atendimento, e já teve de ouvir comentários desnecessários de clientes, como avanço para cantada, o que acontece com toda a equipe de atendimento, que é feminina.

Vale dizer que Ana está em um meio igualitário na Vérios, onde metade dos funcionários são homens e metade mulheres. Já entre os

gestores de carteira de investimentos, é quase uma raridade. Mulheres são apenas penas 5 em cada 100 gestores com certificado atualmente válido emitido pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), de acordo levantamento que fiz com dados públicos da CVM.

Ingrid Barth do Neon

[/caption]

Outra mulher que esteve entre minorias, desde a universidade, foi Ingrid Barth, Head de Corporate Banking do Banc0 Neon, formada em engenharia e economia.

Ingrid observa como houve aumento no número de mulheres nas duas áreas desde que se formou, e também acredita que o ambiente de startups é mais receptivo que o tradicional. “Vejo a diferença pois em empresas inovadoras como startups os negócios são mais horizontais então você tem mais agilidade de processos e mais chance de dar idéias e ser ouvida”.

Ela também relata que ainda acontece de um homem responder para outro homem na sala, mesmo que ela esteja à frente ou seja superior ao outro em hierarquia, mas isso acontece menos.

As entrevistadas deram dicas para as mulheres que estão começando sua vida profissional, especialmente em setores predominantemente masculinos como tecnologia e finanças, confira:

“Faça networking, distribua cartão, use o LinkedIn. Para quem quer entrar nessa área, deve morar ou frequentar bastante São Paulo, sem desmerecer nenhum outro estado, mas o mercado tecnológico e financeiro está mais aqui. Mas a melhor dica é: faça relacionamentos e cultive, diz Stéphanie Fleury, que também é Diretora Executiva da Associação Brasileira de Fintechs (ABFintechs).

“Quando você tem uma ideia, você bate no peito. Quando você passa confiança as pessoas te ouvem mais, quando você chega com essa atitude confiante” - Ana Baraldi.

“Tenha coragem de enfrentar a matemática e ir contra o que diz a maioria, e estudar muito, pois contra estudos não há nenhum argumento - Ingrid Barth.

Participe da pesquisa e conheça mais sobre o mercado

Participe da pesquisa "Gênero em Startups - Conheça o mercado brasileiro". Startups de todos os segmentos podem participar. Sua empresa não será mencionada pelo nome sem autorização prévia. O prazo para participar é até o dia 12 de janeiro.

Sobre a Let’s Talk Payments (LTP)

LTP é a principal plataforma de conteúdo e pesquisas sobre fintechs no mundo. Mais de 400 instituições financeiras e 90 programas de inovação recorrem à LTP para obter informações sobre as empresas que estão disruptindo o setor financeiro. Para saber mais acesse o Media Kit.

Mariana Rodrigues é colaboradora regular da LTP, focada no mercado de fintechs do Brasil. Também é colaboradora do blog Dinheiro pra Viver.

Faça parte do maior conector do ecossistema de startups brasileiro! Não deixe de entrar no grupo de discussão do StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo! E se você tem interesse em anunciar aqui no StartSe, baixe nosso mídia kit.

Baixe já o aplicativo da StartSe

App StorePlay Store

Assine nossa newsletter

switch-check
switch-x
Nova Economia
switch-check
switch-x
Empreendedores
switch-check
switch-x
Startups
switch-check
switch-x
Ecossistema
Mais em Startups