Startup promete revolução para TODOS os varejistas: adeus, caixa

A Trigo, semelhante a Amazon Go, surge para trazer experiências de compras sem checkout em lojas já existentes

Startup promete revolução para TODOS os varejistas: adeus, caixa

A Trigo, semelhante a Amazon Go, surge para trazer experiências de compras sem checkout em lojas já existentes

0
shares

É impressionante pensar que, em pouco tempo, será possível andar em uma loja, pegar os itens desejados na prateleira, tocar uma tela de confirmação e, pronto, compra feita. Tudo isso sem nenhum cartão de crédito, dinheiro físico ou até mesmo aquela pequena conversa com o atendente do caixa.

Bom, isso já acontece na Amazon Go, um supermercado do futuro projetado pela Amazon, oferece uma pequena prova sobre como será o futuro do varejo. Mas o processo ainda parece ser lento – desde que foi lançado, o projeto conta apenas com um loja em Seattle e pretende lançar mais uma até o fim deste ano. Compare isso com todas as lojas que existem ao redor do mundo e chegamos a uma conclusão: a revolução não pode ser de uma em uma. 

Porém, agora, parece que concorrência está começando a aparecer com uma solução mais escalável. A Trigo Vision, uma startup de visão computacional fundada em Tel Aviv, em Israel, surge para trazer experiências de compras sem checkout para lojas já existentes. Fundada por ex-funcionários da Apple, Google e até da própria Amazon, a Trigo foi criada recentemente e já recebeu um investimento de US$ 7 milhões da Hetz Ventures e da Vertex Ventures Israel. "Estamos permitindo que os varejistas em todo o mundo transformem suas lojas", disse o CEO da Trigo, Michael Gabay. "Estamos criando uma plataforma para o varejo que o automatiza o máximo possível", completa.

A Trigo, assim como Amazon Go, conta com um sistema de câmeras com base em algoritmos de visão computacional para acompanhar os clientes e identificar os itens comprados pelo mesmo durante sua passagem pela loja. Além de ser movido por machine learning, o software de rastreamento da Trigo possui uma rede de alta resolução e câmeras RGB.

De acordo com Gabay, a solução da Trigo é híbrida. Os varejistas pagam uma taxa de assinatura para uma “unidade de processamento” que capta os dados das câmeras da loja e os enviam para provedor da Trigo, que analisa os dados e os utilizam para melhorar os algoritmos da plataforma. É escalável, nas palavras de Gabay. Além disso, segundo ele, não há praticamente nenhum limite para o número de objetos e pessoas – o sistema pode rastrear, e funciona, em lojas de até 200 m².

Além disso, a solução também é altamente personalizável. "Os varejistas não tem que alterar o layout ou estrutura da loja. Como eles querem implantar o sistema de câmeras é uma decisão somente deles. Nosso objetivo não é estar diretamente envolvido com os clientes da loja– quem precisa conhecer seus clientes e necessidades de cada um é o varejista", disse Gabay.

Os clientes da Trigo tem duas opções de configuração: eles podem instruir os compradores para adicionar suas informações de pagamento em um aplicativo de design personalizado, como na Amazon Go, ou empregar quiosques com telas que mostram a opção de pagamento por meio de uma conta-corrente. Nesses quiosques, os itens podem ser adicionados ou excluídos, conforme necessário.

Com a solução da Trigo – diferente da Amazon Go, que oferece reembolsos sem fazer nenhuma pergunta sobre itens que possam ter sido adquiridos erroneamente –, cabe ao varejista aceitar ou negar a devolução caso um cliente saia da loja e descubra, posteriormente, que foi cobrado algo indevidamente. Segundo Gabay, isso pode impedir furtos, fornecer insights e oportunidades para o envolvimento do cliente, como destacar uma ilha de vendas ou uma paleta de produtos de baixa rotatividade.

De acordo com a própria startup, o sistema da Trigo é compatível com o Regulamento Geral de Protecção de Dados (PIBR), uma lei sobre proteção de dados e privacidade que oferece aos usuários mais controle sobre seus dados pessoais. No sistema da Trigo, a coleta de dados é feita de forma anônima – ou seja, os compradores não podem ser identificados a partir de uma informação da Trigo, seja ela presente no  software local ou na nuvem. "Estamos nos certificando de manter a privacidade dos clientes," disse Gabay. "Aqui, os dados do cliente são tratado de forma adequada".

Apesar de disruptiva, a Trigo não é a primeira startup a utilizar uma combinação de câmeras e visão computacional  para ajudar os proprietários de lojas. A AiFi, uma startup fundada em Santa Clara, emprega uma mistura de câmeras, sensores e inteligência artificial para oferecer aos clientes uma experiência de checkout livre. Mas para Gabay, isso não é um problema. O CEO está confiante de que a Trigo estará entre os primeiros a lançar a solução em redes de varejo. "Nós já estamos em negociações com grandes mercearias  ao redor do mundo", disse ele.

A solução da Trigo, assim como a Amazon Go, veio para transformar completamente a relação entre clientes e varejistas. Quer saber mais sobre o futuro do mercado no Brasil e no mundo? Participe da Varejo Tech Conference, um evento da StartSe que acontecerá no próximo mês. Não perca!

Baixe já o aplicativo da StartSe

App StorePlay Store

Assine nossa newsletter

switch-check
switch-x
Nova Economia
switch-check
switch-x
Empreendedores
switch-check
switch-x
Startups
switch-check
switch-x
Ecossistema
Mais em Startups